Quinta, 08 Novembro 2018 16:18

‘Agronegócio representou 21,6% do PIB em 2017’, afirma Frederico Price Grechi“

Frederico Price Grechi (segundo, da direita para a esquerda), na mesa de honra de abertura do congresso Frederico Price Grechi (segundo, da direita para a esquerda), na mesa de honra de abertura do congresso

“O objetivo do congresso foi integrar os advogados que atuam nesse importante segmento do mercado nacional, que representou 21,6% do PIB em 2017, além de capacitar os profissionais e os estudantes de Direito e promover o diálogo com o Poder Judiciário, especialmente o STJ, presente no evento.” O relato foi feito pelo presidente da Comissão de Direito Agrário e Urbanismo, Frederico Price Grechi, que representou o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), nesta quarta-feira (7/11), ao integrar a mesa de honra na abertura do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio, realizado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em sua sede, em Brasília. O evento foi aberto presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, e contou com a presença do corregedor Nacional de Justiça, Humberto Martins, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

De acordo Frederico Price Grechi, “nas palestras foram tratados temas atuais e de alta relevância para o mercado, merecendo a reflexão de todos, sobretudo dos magistrados”. Segundo ele, os integrantes do Judiciário “precisam estar atentos às consequências sociais e econômicas de suas decisões, que devem ser precedidas da devida interpretação das leis, para a sua aplicação com prudência”. Para o advogado, além da justiça estatal, é preciso prestigiar também a negociação, a mediação e a arbitragem. “São métodos adequados de solução de conflitos e harmonização da relação entre os que atuam no ramo do agronegócio”, afirmou. O congresso reuniu advogados, magistrados, estudantes de Direito e profissionais de outras áreas. 

Na solenidade de abertura, o presidente nacional da OAB afirmou: “Tratar do agronegócio significa analisar, de forma direta ou indireta, uma vasta gama de assuntos importantes para a agenda pública do País, pois seu impacto positivo na economia brasileira é inquestionável”. Segundo Claudio Lamachia, “após dois anos de recessão sem precedentes, o setor teve 14,8% de crescimento, enquanto o restante da economia permaneceu estável”.

O ministro Humberto Martins, em seu discurso, disse que a agricultura é o sustentáculo da humanidade. “A atividade alcançou patamares industriais de produção em larga escala, ao que conceitualmente se chama por agronegócio”, afirmou.