Quarta, 05 Junho 2019 15:58

Rita Cortez aponta ligação entre desigualdades econômicas e discriminações de raça e gênero

Na abertura do evento sobre Reparação da escravidão e o reconhecimento à mulher negra advogada, realizado pela Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra no Brasil (Cevenb) da OAB/RJ, nesta terça-feira (4/6), na sede da Seccional, a presidente nacional do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez, afirmou: “As questões envolvendo discriminações, como as de raça e gênero, decorrem principalmente das profundas desigualdades econômicas existentes na sociedade”. Rita Cortez disse, também, que “enfrentar o preconceito e as atitudes racistas no exercício da advocacia é uma situação extremamente difícil”. O evento foi conduzido pelo presidente da Cevenb, Humberto Adami.
Na sua intervenção, a presidente do IAB elogiou a iniciativa. “Merece o reconhecimento de todas as instituições que pregam o respeito aos direitos e à dignidade dos seres humanos a realização deste evento da Cevenb em homenagem às advogadas negras que contribuíram e atuam para a superação da violência social e da sistemática violação de prerrogativas”, destacou Rita Cortez. A advogada disse, ainda, que “o IAB também possui a sua Comissão de Igualdade Racial, com o propósito de contribuir para a formação de uma sociedade inclusiva”.

Foram homenageadas as advogadas Maria Moura, Maria Soares, Aglaete Nunes Martins e Zélia Welman. O presidente da Cevenb disse que, até hoje, as advogadas negras são subrepresentadas em postos de destaque na advocacia, inclusive na própria Ordem. Ao ser homenageada, Maria Soares, de 95 anos, que começou a exercer a advocacia após se aposentar, disse: “Chegar aonde eu cheguei, sendo exceção, não é privilégio nenhum”. Durante o evento, foi apresentado o Museu Afro Digital, projeto da Uerj que teve assessoria técnica da Cevenb.

Também integraram a mesa de abertura a vice-presidente da Seccional, Ana Tereza Basílio; a diretora de Igualdade Racial da OAB/RJ, Ivone Caetano; a diretora de Mulheres, Marisa Gaudio; o diretor do Centro de Documentação e Pesquisa, Aderson Bussinger; a presidente da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, Guiomar Mairovitch, e os representantes da OAB/BA, Silvia Cerqueira, e da OAB/MG, Gabriel Dias de Moura.
 
Da esq. para a dir., Guiomar Mairovitch, Marisa Gaudio, Aderson Bussinger, Rita Cortez, Humberto Adami, Ivone Caetano, Ana Teresa Basílio, Silvia Cerqueira e Gabriel Dias de Moura