Comissão de Direito Digital examinará se advogados estão sendo substituídos por robôs - Instituto dos Advogados Brasileiros | IAB
Notícias
Quinta, 05 Julho 2018

Comissão de Direito Digital examinará se advogados estão sendo substituídos por robôs



Fonte
Comissão de Direito Digital examinará se advogados estão sendo substituídos por robôs
A Comissão de Direito Digital do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) vai examinar se advogados estão sendo substituídos por robôs em serviços eletrônicos oferecidos na internet para o atendimento de trabalhadores na Justiça do Trabalho. Na sessão ordinária desta quarta-feira (4/7), o plenário aprovou indicação apresentada pela 3ª vice-presidente, Adriana Brasil Guimarães (foto), para exame e elaboração de parecer sobre o assunto. Segundo a advogada, empresas de investimentos oferecem os serviços, sob o argumento de que a utilização de robôs eliminaria riscos com pagamento de custas processuais e de honorários decorrentes do ingresso de ações trabalhistas. "Não podemos tolerar atitudes de empresas oportunistas que querem colocar a advocacia num papel subalterno", afirmou.

Na semana passada, os presidentes do IAB, Rita Cortez, e da OAB/RJ, Felipe Santa Cruz, emitiram nota conjunta repudiando o lançamento dos robôs, que prestariam serviços de atendimento eletrônico a trabalhadores, além de tirar dúvidas sobre direitos trabalhistas. Na nota, destacaram que, de acordo com o Estatuto da Advocacia, “a postulação a órgão do Poder Judiciário e aos juizados especiais, bem como as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas são atividades privativas de advogados e advogadas”. Esta semana, o presidente nacional da Ordem, Claudio Lamachia, anunciou a criação de uma coordenação de inteligência artificial, que realizará um trabalho de preparação para a formulação de auto-regulamentação para o uso de inteligência artificial no exercício do Direito.

Na mesma sessão ordinária, o plenário do IAB aprovou outras três indicações para produção de pareceres. Por sugestão da diretora-secretária Maíra Fernandes, a Comissão de Direito Civil analisará o projeto de lei 9.574/2018, de autoria do deputado federal Wadih Damous (PT-RJ). Ele propõe alteração no Código Civil, para que o ato ilícito gere indenização, mesmo que não cause dano material, e não seja tratado como “mero aborrecimento”. Na sua indicação, a advogada citou os casos de atrasos nos vôos decorrentes de falhas na prestação do serviço pelas empresas aéreas.


Maíra Fernandes

A recém-criada Comissão de Direito Cooperativo, presidida por Paulo Renato Fernandes da Silva, produzirá os seus primeiros pareceres, a partir das duas indicações do presidente acolhidas pelo plenário. Num deles, a comissão se posicionará a respeito do Ato Normativo 254/2002, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ), que criou obstáculos para a participação de cooperativas nas licitações públicas realizadas pelo tribunal. No outro, irá estudar e definir juridicamente o que é o ato cooperativo, com o objetivo de garantir à atividade cooperada o benefício tributário diferenciado previsto na Constituição Federal. "Pode ser uma tributação menor, em relação às demais empresas, ou até mesmo a isenção tributária", explicou Paulo Renato Fernandes da Silva.


Paulo Renato Fernandes da Silva