Quinta, 12 Março 2020 17:43

Plenário aprova as contas de 2019 e a previsão orçamentária para 2020

Da esq. para a dir., Adriana Brasil Guimarães, Rita Cortez, Antonio Laért Vieira Junior, Luiz Felipe Conde e Sydney Sanches Da esq. para a dir., Adriana Brasil Guimarães, Rita Cortez, Antonio Laért Vieira Junior, Luiz Felipe Conde e Sydney Sanches
O plenário do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) aprovou por aclamação, na Assembleia Geral Ordinária (AGO) desta quarta-feira (11/3), as contas referentes ao exercício de 2019 e a previsão orçamentária para 2020, referendando a decisão do Conselho Superior, tomada no dia 5 de fevereiro último. Representando a Diretoria Financeira, conduzida por Arnon Velmovitsky, Luiz Felipe Conde apresentou os números e destacou o superávit alcançado em 2019 e afirmou: “Foi mais um ano vitorioso desta administração, que adotou medidas imprescindíveis à boa gestão implementada”. A presidente nacional do IAB, Rita Cortez, parabenizou os diretores financeiros e, a respeito do superávit atingido, disse que “houve mais rigor com as despesas e o ingresso expressivo de novos sócios, além da facilitação oferecida aos inadimplentes, que puderam parcelar em muitas vezes o pagamento de suas dívidas”.
Na exposição, Luiz Felipe Conde mencionou que, no ano passado, ingressaram 128 novos consócios, superando os totais registrados em 2018 (55 novos membros) e 2017 (102). De acordo com o diretor, 953 consócios (59% do quadro social) estão em dia com as suas obrigações, restando 466 inadimplentes. Dentre as medidas tomadas para atingir o superávit, ele citou “a redução de pessoal e a mudança do plano de saúde dos funcionários para um menos custoso, mas sem perda de qualidade nos serviços oferecidos”.

O conselheiro relator Sydney Sanches, que fez a apresentação das contas e da previsão orçamentária na reunião do Conselho Superior, também participou da AGO. “Tradicionalmente, o IAB tem feito esforços e alcançado superávits, mas o registrado em 2019 foi histórico, não somente pelo valor, mas também por ter sido atingido num ano muito difícil para a economia brasileira”, afirmou o conselheiro relator. 

Em relação à previsão orçamentária para 2020, Sydney Sanches comentou que o Instituto buscará o superávit novamente por meio da redução de despesas e destacou a decisão da Diretoria de manter os valores cobrados no ano passado pela anuidade (R$ 1.067) e a joia (R$ 350).