Sexta, 17 Dezembro 2021 17:35

Carlos Eduardo Machado defende punição para a prática de extermínio e o seu incentivo 

 Da esq. para a dir. Professor Josemar, Eliano Enzo e Carlos Eduardo Machado Da esq. para a dir. Professor Josemar, Eliano Enzo e Carlos Eduardo Machado
O 3º vice-presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Carlos Eduardo Machado, participou da audiência pública realizada pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Gonçalo (RJ), nesta sexta-feira (17/12), no auditório da subseção da OAB/RJ naquele município. O encontro foi marcado pelo debate a respeito da legalidade e da letalidade de operações policiais realizadas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, com elevado número de suspeitos mortos. “Infelizmente, essas ações se inserem num contexto histórico e cultural de aprovação do extermínio por parte da sociedade”, afirmou o advogado criminalista. Para ele, “é preciso combater também essa cultura de aceitação das mortes dos ditos criminosos, investigando, denunciando e punindo os agentes públicos que as incentivam e cobrando ações dos que se omitem de coibir tais práticas”. 
Um dos casos discutidos na audiência pública foi a operação realizada pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) em uma das comunidades do Complexo do Salgueiro, no dia 21 de novembro último, após o assassinato de um policial militar na localidade. Nove homens supostamente criminosos foram mortos. “Sem a mudança da mentalidade que apoia essa opção equivocada de política de segurança pública, essa tragédia será apenas mais uma na sequência interminável de chacinas bárbaras e repulsivas”, disse Carlos Eduardo Machado. Ele falou ainda que “o IAB fez questão de participar da audiência e demonstrar sua solidariedade aos membros daquela sofrida comunidade”. 

Da audiência pública, conduzida pelo presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Gonçalo, vereador Professor Josemar (Psol), participaram o presidente da subseção da OAB/RJ, Eliano Enzo; e o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ, Álvaro Quintão. Também estavam presentes representantes das comissões de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), da Câmara Federal e da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Dperj), como também de diversas entidades e associações, como a Associação Juízes para a Democracia (AJD), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o Coletivo Fogo Cruzado e a Associação de Moradores do Salgueiro.