Segunda, 27 Abril 2020 14:16

Uma Economia Pós Covid - Garantia da Democracia.

Representante Estadual (Espírito Santo) - Luiz Cláudio Allemand
Luiz Cláudio Allemand, advogado em Vitória/ES, Mestre em Direito pela Universidade Candido Mendes/RJ e pela Steinbeis University Berlin, Conselheiro Federal da OAB, Presidente da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Cindes/Findes, Diretor Jurídico da FIESP e Sócio fundador do IGIDO – Instituto de Governança, Integridade e Desenvolvimento Organizacional.

Garantir o desenvolvimento econômico, nesse momento em que a humanidade atravessa uma pandemia, torna-se fundamental para Governos que se declaram democráticos, pois não se concebe respeito aos direitos humanos ou sociais sem observância aos direitos fundamentais econômicos, estes sim, garantidores de democracia, pois “Sem dinheiro, não existe Estado”.

O desenvolvimento do mercado interno é política estratégica de uma Nação, pois, com o incremento das atividades industriais e tecnológicas, consequentemente se garantirá empregos e consumo, com aumento da arrecadação tributária, que retorna em fomento das atividades empresariais, em um círculo virtuoso de desenvolvimento nacional.

O que ousamos chamar de “direito fundamental econômico”, identificamos como preceitos fundamentais inscritos na Constituição Brasileira que são os princípios na ordem econômica, esses garantidores dos princípios da dignidade humana, desenvolvimento nacional, erradicação da pobreza, redução das desigualdades sociais e regionais e a criação de emprego, que Härbele chama de liberdade nos dias atuais.

O relatório do Freedom House 2019, que realiza pesquisa anual sobre a liberdade no mundo, registrou pelo 13º ano consecutivo o declínio da liberdade global, apontando que as democracias estão sofrendo com o populismo e o nacionalismo.

Entretanto, a maioria desses países têm, em comum, a economia baseada no mercado, uma verdadeira garantia contra retrocessos. Nas palavras de Kim G. Davis: “Uma economia de mercado e os direitos humanos estabelecem limites à autoridade do Estado e capacitam os indivíduos”.

O conceito de democracia não se baseia, exclusivamente, no voto secreto e na liberdade de escolha de um candidato, demandando enormemente uma economia de mercado voltada para indústria e tecnologia, capaz de gerar empregos e dignidade.

Nesse novo mundo, nossos governantes precisam ter responsabilidades também com a economia. Será necessário criar algo similar ao Plano Marshall, que reconstruiu a Europa destruída na Segunda Guerra Mundial, com responsabilidade fiscal, sem endividamento que comprometa as contas públicas, com liderança, sem populismo e oportunismo. O respeito aos direitos fundamentais passa necessariamente pela liberdade de mercado, prevista nos direitos econômicos das Constituições dos Estados livres, que se apresenta como única forma de produzir bem estar à sociedade e garantir os direitos humanos e sociais. 

Um Estado de Direito que garanta uma economia de mercado é a única certeza do homem contra o autoritarismo e a convicção de viver em um regime verdadeiramente democrático pós crise gerada pela Covid 19.